Pages Navigation Menu

Vida outdoor, Ornitologia, Literatura Selvagem

Ao vencedor, as cidades

Pitangus_sulphuratus_front

Bem-te-vi (Pitangus sulphuratus) (Foto de Dario Sanches, Fonte: http://www.flickr.com/photos/dariosanches/).

Texto de Marco Aurélio Pizo

Nosso cérebro entende as coisas do mundo mais facilmente se as dividimos em categorias. Melhor ainda com poucas categorias. Feio e bonito, certo e errado, grande e pequeno são algumas categorias que criamos para melhor compreender as coisas que nos cercam. No que se refere à probabilidade de extinção de espécies frente às mudanças ambientais causadas pelo homem, podemos empregar a dicotomia perdedores x vencedores. Enquanto os primeiros correspondem àquelas espécies que enfrentam dificuldades com as alterações ambientais que provocamos, os segundos são espécies que se dão bem com elas. Entre as aves, contamos centenas de espécies “perdedoras” e umas poucas dezenas “vencedoras”. Uma vencedoras emblemática é o bem-te-vi (Pitangus sulphuratus), ave das mais populares no Brasil. Não é para menos. O bem-te-vi está entre as aves mais comuns nas cidades, onde sua “gritaria penetra os mais recônditos becos” 1. Consegue explorar uma variedade de alimentos, que vai de invertebrados (insetos, aranhas, minhocas, moluscos) a pequenos vertebrados (peixes, anfíbios, lagartos, morcegos), passando por frutos, pão, bolo, salgadinhos e ração para cachorro 2, 3. Embora seja uma ave diurna, consegue alimentar-se à noite graças à iluminação artificial. Constrói seus ninhos em árvores, postes elétricos e cavidades 4. É sem dúvida um vencedor, com flexibilidade ecológica e comportamental para se adaptar aos mais variados ambientes e por isso distribui-se amplamente pelo continente americano. Ao contrário dos perdedores, ainda estará conosco por muitos anos com seu grito tão característico, seja “bem-te-vi” no Brasil ou “kiskadee”, como é conhecido nos Estados Unidos.

brasil2004manguezais2

Para saber mais

1 Sick, H. 1997. Ornitologia brasileira. Rio de Janeiro: Nova Fronteira.

2 Argel-de-Oliveira, M. M., Curi, N. A., & Passerini, T. 1998. Alimentação de um filhote de bem-te-vi, Pitangus sulphuratus (Linnaeus)(Passeriformes, Tyrannidae), em ambiente urbano. Revta bras. Zool. 15: 1103 -1109. Disponível em http://www.scielo.br/pdf/rbzool/v15n4/v15n4a27.pdf

3 Munin, R. L., Fischer, E., & Longo, J. M. 2012. Foraging of Great Kiskadees (Pitangus sulphuratus) and food items offered to nestlings in the Pantanal. Brazilian Journal of Biology, 72: 459-462. Disponível em http://www.scielo.br/pdf/bjb/v72n3/07.pdf

4 Lago-Paiva, C. 1996. Cavity nesting by Great Kiskadees (Pitangus sulphuratus): Adaptation or expression of ancestral behavior? The Auk 113: 953-955. Disponível em http://www.avibirds.com/pdf/G/Grote%20Kiskadie2.pdf

Um Comentário

  1. Muito bom. Quem dera tivesse mais pássaros aqui para devorar os insetos.

Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *