Pages Navigation Menu

Vida outdoor, Ornitologia, Literatura Selvagem

Entrevista com Giovanni di Pietro Bernardone, mais conhecido como Francisco de Assis.

Uma suave brisa balança as folhas dos pés de louro e laranjeiras que se debruçam sobre a falésia íngreme que revela a imensidão do azul Mediterrâneo. Enquanto o sol se põe lentamente nestes primeiros dias de outono, o mar azul-marinho se transforma em azul-petróleo; o céu azul- ciano se transforma em violeta; e o Sol, agora é nada mais que um enorme círculo laranja que beija o fim do mundo.

Costa Amalfitana: "Conca dei Marini" Fonte: Wikimedia Commons - http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Conca_dei_Marini_06.JPG#mediaviewer/File:Conca_dei_Marini_06.JPG

Costa Amalfitana: “Conca dei Marini” Fonte: Wikimedia Commons – http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Conca_dei_Marini_06.JPG#mediaviewer/File:Conca_dei_Marini_06.JPG

Foi neste clima de paz e silêncio que nossa enviada especial Tatiana Kourteli trouxe-nos com exclusividade uma conversa franca com o Sr. Bernadone, ou melhor, Francisco. Morando numa bela villa com vista para o mar Tirreno na concorrida Costa Amalfitana do sul da Itália e vestindo seu tradicional manto de tecido cru marrom e obviamente descalço, o Sr. Bernadone, ou melhor, Francisco, revela como se comunica com os animais. A falta de humor típica dos habitantes locais e o forte sotaque da Úmbria deram o tom da conversa.

Vida das Aves (VDA) – Não é uma contradição o senhor viver numa villa tão exuberante com jacuzzi e tudo mais, de frente para uma das paisagens mais deslumbrantes do planeta Terra?

Francisco de Assis – Foi o único jeito de eu me livrar do assédio dos fãs. Assis, minha terra natal, ficou insustentável. Ali eu não tenho mais paz. Escolhi justamente este lugar porque ninguém iria imaginar que eu pudesse viver aqui. Mas eu preferiria estar no velho estábulo da propriedade do meu pai, junto aos meus porcos e oliveiras. Essa vila aqui para mim é o purgatório, minha prisão. Está vendo ali? (apontando com o dedo). É um estábulo que eu construí. Na verdade é minha casa. Durmo ali. Não preciso de mais nada. Aliás, como vocês me encontraram aqui?

VDA – Temos nossos contatos Sr. Bernardone…

Francisco de Assis – Meu nome é Francisco.

Costa Amalfitana. Fonte: Wikimedia Commons - http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Amafi0003.jpg#mediaviewer/File:Amafi0003.jpg

Costa Amalfitana. Fonte: Wikimedia Commons – http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Amafi0003.jpg#mediaviewer/File:Amafi0003.jpg

VDA – Eu gostaria de perguntar se é verdade a lenda de que o senhor conversa com os animais.

Francisco de Assis – Sempre a mesma pergunta. Não! Não converso com eles.

VDA – Mas ‘O sermão aos pássaros’ é um dos episódios mais famosos de sua existência e está relatado no I fioretti di San Francesco1

Francisco de Assis – Eu simplesmente os atraio. (levemente irritado).

"La predica agli uccelli" de Giotto (1295-1299). Fonte: Wikimedia.

“La predica agli uccelli” de Giotto (1295-1299). Fonte: Wikimedia.

VDA – E como o senhor faz isso?

Francisco de Assis – Playback2.

VDA – Playback? Poderia ser mais específico?

Francisco de Assis – Ninguém precisa ser um gênio e nem um santo para aprender que as aves são atraídas pelo seu próprio canto. Aprendi isso com meu pai, exímio caçador de perdizes. Ele usava uns apitos de madeira que eram do pai dele. Eu comecei a fazer isso assobiando, pois meu pai não me deixava usar os apitos. Peguei birra dos apitos, principalmente porque eram usados para matar, e me desenvolvi como grande assobiador. Escuto o canto de uma ave e aprendo instantaneamente. Tenho um bom ouvido. Essa história de atrair aves vem de longe, e nem sei se é mesmo uma característica ancestral, muito antiga. Se eu não me engano existem até aves que imitam cantos de outras espécies não é verdade?

VDA – Mas há pessoas que acreditam que o uso excessivo do playback causa impacto sobre as aves, deixando-as estressadas e com possibilidade até de abandonarem o ninho ou algo semelhante.

Francisco de Assis – Impacto?! (levemente irritado). Uma usina hidrelétrica qualquer é capaz de aniquilar milhões de aves, trilhões de insetos e plantas. Uma plantação de soja, ou de café, ou de qualquer coisa devasta outros milhões de seres vivos. A garrafa pet de plástico inunda o oceano Pacífico e mata milhares de albatrozes todo ano. Se você quiser eu dou mais exemplos do que você chama “impacto” (mostrando as aspas com os dedos) . O playback não é nada. O impacto do playback é zero vírgula zero frente às atrocidades que o Homem faz hoje em dia. Muito pelo contrário, o playback faz com que as pessoas fiquem cientes de que existe um universo paralelo de animais e plantas.

VDA – Como assim?

Francisco de Assis – Há um tempo atrás eu estava chamando um lui picolo3 aqui no meu quintal. Meu vizinho se aproximou e o viu pousado, bem ali naquele pé de louro. Ele ficou maravilhado. Disse que jamais havia visto uma ave tão bela assim. Pois eu lhe disse que esta pequena ave, entre tantas outras, frequentava nosso jardim há anos. Como ele nunca a havia percebido? Isso sim é um mistério que deveria ser investigado: como os Homens perderam totalmente o contato com a natureza a ponto de não enxergar os seres que o rodeiam cotidianamente? Isso não acontece só aqui. Outro dia na cidade de São Paulo, bem em frente ao Masp, imagine, me deparei com uma belíssima alma-de-gato. Mas isso é outra história. O resultado é que este meu vizinho fundou um clube de observadores de aves e hoje é um ferrenho e digno ambientalista e posso dizer que depois disso tivemos mudanças muito boas aqui na região.

Felosa comum (Phylloscopus collybita). Fonte Wikimedia.

Felosa comum (Phylloscopus collybita). Fonte Wikimedia.

VDA – O que o senhor diria a um jovem que queira se tornar um observador de aves?

Francisco de Assis – Essa é uma pergunta clichê para terminar a entrevista? Eu não diria nada. Apenas assobiaria um canto qualquer.

 

1 I fioretti di San Francesco. Antologia sobre a vida de São Francisco de Assis em vernáculo Úmbrio do século XIV, preservada nos arquivos do Sacro Convento de Assis.

2 Playback é uma técnica usada por observadores de aves e que constitui em emitir o canto de uma ave específica, usando-se um gravador portátil, a fim de atraí-la.

3 Lui picolo é a felosa-comum em português, (Phylloscopus collybita); uma pequena ave da família Phylloscopidae, do velho mundo.

49 Comentários

  1. Maravilhoso artigo.

  2. Otimo como todos.

  3. Muito bom! Li, reli e logo releio mais uma vez 😉

  4. grande Marcos, muito bom…

    • Obrigado Mauro. Abç.

  5. Muito interessante essa “singular” entrevista com o passado…

  6. Para um apreciador da Natureza, em especial os pássaros acho lamentável este descolamento do Homem frente a Natureza. Vamos pagar caro. O artigo é ótimo.

  7. Maravilhoso, Marcos! Parabéns! Grande abraço!

  8. O que me chamou atenção foi a simples pergunta ” como os Homens perderam totalmente o contato com a natureza a ponto de não enxergar os seres que o rodeiam cotidianamente?”. Se parássemos pra observar o que nos cerca o respeito pela natureza seria maior.

  9. Interessante o fato do bernardone se “comunicar” com os animais e viver numa vila na Itália afastado do assédio e de toda loucura da sua cidade natal. A habilidade de imitar e aprender o canto das aves e reproduzir com assovio é descrita por Francisco com bastante naturalidade e isso atrai as aves para ele. Contradizendo as opniões, Francisco descorda que isso seja prejudicial às aves e cita exemplos bem piores de ações do homen que podem ser prejudicial a elas.
    Francisco levanta um ponto bem legal sobre a falta de sensibilidade do homem aos animais, e como deixou de observar por exemplo as aves que o rodeiam. É legal a forma que ele admira as aves, lida com elas e ainda convidam pessoas a seguir este caminho de ser mais sensível a beleza em torno de si, apreciar a natureza. Francisco é bem curto nas suas respostas e bem subjetivo, sendo especifico no jeito que gosta de ser tratado pelo nome de Francisco.

  10. …O playback não é nada. O impacto do playback é zero vírgula zero frente às atrocidades que o Homem faz hoje em dia…” Nós alteramos o meio ambiente de tantas maneiras negativas, como por exemplo, a construção de usinas eólicas, às quais devidos as suas longas hélices poderão atingir algumas aves em voo,derrubamos árvores sem mesmo saber quem poderiam ser os inquilinos delas. A minha cidade por exemplo, que fica próxima de Porto Seguro teve grande parte da Mata Atlântica destruída, mas quando aconteceu eu ainda nem havia nascido!

  11. “…O playback não é nada. O impacto do playback é zero vírgula zero frente às atrocidades que o Homem faz hoje em dia…” O ser humano pode ser muito cruel, especialmente quando vemos o tráfico de animais silvestres, dentre eles várias espécies de aves que nem são apreendidas pela polícia florestal. Como alguém tem coragem de fazer algo assim, aprisionar em gaiolas apertadíssimas várias aves, sem alimentação e muitas vezes, doentes! Para mim não deveria ser punido apenas quem capturou estes animais na natureza, mas também o receptor que irá comercializá-las.

  12. Muito bonito e tocante este texto Professor Marcos. Vemos nas palavras de Francisco Assis a sua proximidade com a natureza e sua capacidade de “encanto”, o encanto que perdemos a cada dia vivendo no meio urbano e ligados totalmente ao lado social. A relação que existe entre homem e natureza quando bem estabelecida gera bons frutos e propicia momentos únicos de apreciação, e assim deveria ser todos os tipos de relações com a natureza… que nos propicie encantar e desfrutar com a beleza que ela nos traz.

  13. O texto se trata de uma entrevista com Francisco de Assis, conhecido por atrair as aves. Ao ser questionado sobre o impacto que playbacks podem causar nas aves ele aponta diversos fatores que são, de fato, problemas para o meio ambiente, o que nos faz refletir sobre o assunto.

  14. Adorei a entrevista. Talvez F. de Assis tenha mais facilidade em lidar com os animais, e para muitos isso é chamado de “dom”. Porém, na minha opinião isso se chama respeito, atualmente vivemos em um mundo industrializado, cheio de metas a cumprir, tarefas a serem realizadas, e deixamos de notar o espaço a nossa volta. Não me refiro somente aos pássaros, mas a todos os seres vivos que passam despercebidos todos os dias. Se dessemos mais atenção ao que acontece a nossa volta, talvez teríamos o mesmo privilégio que ele teve, pois deu valor a natureza.

  15. Que bela ligação feita com São Francisco! Não acredito que tenha uma melhor, já que este na maioria das vezes é representado com um pássaro e que a muito tempo atras tentou ensinar ao povo o respeito a vida.
    Texto muito bonito e que mais uma vez relembra o impacto das ações dos homens na natureza.

  16. Excelente texto, professor. Mostra uma bela relação entre o homem e a natureza. Hoje em dia as pessoas estão muito ocupadas, estressadas, não tem tempo nem de perceber um canto de um passarinho, mesmo que no nosso dia-a-dia isso é raro. Hoje acontece muito, o que foi relatado por Francisco Assis no trecho: “Meu vizinho se aproximou e o viu pousado, bem ali naquele pé de louro. Ele ficou maravilhado. Disse que jamais havia visto uma ave tão bela assim. Pois eu lhe disse que esta pequena ave, entre tantas outras, frequentava nosso jardim há anos. Como ele nunca a havia percebido? Isso sim é um mistério que deveria ser investigado: como os Homens perderam totalmente o contato com a natureza a ponto de não enxergar os seres que o rodeiam cotidianamente?”.
    Um dia passando pela orla da Lagoa da Pampulha, em uma única árvore pude observar 6 espécies de aves diferentes, fora as aves aquáticas que sempre estão lá, se você perguntar para qualquer pessoa que faz caminhada todos os dia na lagoa, são poucas que vão te falar sobre o canto das aves. As pessoas perdem a oportunidade de apreciar as belezas que a natureza tem à nos oferecer, mesmo que ainda seja num ambiente que não é preservado pelo homem.

  17. Maravilhoso a entrevista. É importante observar que ainda existem pessoas que se senbilizam com certos acontecimentos na Terra. Não há coisa mais satisfatória que observar a natureza e sua bela sintonia, e saber que você faz parte deste mundo imenso repleto de novas descobertas. Parabéns.

  18. Muito boa entrevista!
    A relação e a preocupação de Francisco com os animais, tanto ali em seu quintal, quanto em grande escala é admirável!
    Em um feriado do último mês, eu estava em um sítio nas proximidades da Serra do Cipó. Acordei por volta das 4h da manhã e não consegui dormir mais. Resolvi então que veria o nascer do sol. Enrolei-me na coberta, pois fazia frio, e sentei-me na varanda da casa, esperando pelo espetáculo. Mas o que vivenciei foi mais que isso. A cantoria dos pássaros era a única coisa que se ouvia e acompanhava perfeitamente o clarear do dia. Nesse momento, além a imensa paz, me fiz a mesma pergunta: como não percebia a presença daqueles seres que faziam parte do meu cotidiano? A resposta fácil: é a correira do dia-a-dia.
    Desde então, tenho apreciado mais vezes esse espetáculo, seja porque não fui dormir ainda, ou porque simplesmente acordei, e vale muito a pena!

  19. O que mais me chamou atenção “Impacto?! (levemente irritado). Uma usina hidrelétrica qualquer é capaz de aniquilar milhões de aves, trilhões de insetos e plantas. Uma plantação de soja, ou de café, ou de qualquer coisa devasta outros milhões de seres vivos. A garrafa pet de plástico inunda o oceano Pacífico e mata milhares de albatrozes todo ano. Se você quiser eu dou mais exemplos do que você chama “impacto” (mostrando as aspas com os dedos) . O playback não é nada. O impacto do playback é zero vírgula zero frente às atrocidades que o Homem faz hoje em dia. Muito pelo contrário, o playback faz com que as pessoas fiquem cientes de que existe um universo paralelo de animais e plantas.” Tantas coisas que utilizamos causam impactos na natureza, causam desequilíbrio e nem sequer paramos para pensar nisso! Excelente texto, sábias palavras do Sr Francisco.

  20. Francisco nos mostra como a relação do ser humano pode ser harmoniosa com as aves, quando esse conhece o modo de vida e os limites impostos por elas. Francisco afirma que isso não demanda nem genialidade nem poderes sobrenaturais mas sim amor e respeito a essas aves. Texto muito bem…

  21. Bem legal essa relação de Francisco de Assis com as aves, o respeito e admiração dele por elas é algo que nos contagia. O canto das aves é um dos mais belos sons que a natureza poderia nos presentear. Belo texto!

  22. Muito bacana a entrevista, um apaixonado e protetor da natureza mas com um gênio tao singular. Muito legal esse ‘método’ para atrair as aves pelo canto, usado também com tantos outros animais.

  23. Muito interessante! Algumas vezes já tentei o playback muitas vezes, mas acho que não fui muito bem sucedida!

  24. Muito boa a entrevista, concordo com o Francisco de Assis, ninguém precisa ser um gênio para comunicar com os pássaros, basta ter um pouco de sensibilidade. Assim como os impactos causados pelo homem não chegam nem perto dos assobios e essa comunicação traz realmente uma percepção maior da natureza que nos cerca.

  25. Entrevista muito interessante! O que mais me chamou a atenção na entrevista foi o fato do entrevistador apontar o playback, como algo que pode fazer mal para as aves, sendo que na verdade, Francisco de Assis aponta diversos fatores que demonstram que somos nós, seres humanos, que mais fazemos mal à elas, destruindo a natureza.
    Me gerou a reflexão sobre como “crescer”(a humanidade/economia) de forma sustentável(sem prejudicar a natureza). Será que isso ainda é possível?

  26. Muito interessante o texto. O ser humano se distanciou da natureza ao ponto de não observar os outros seres a sua volta. Francisco de Assis, demonstrou respeito pelas aves, devíamos seguir seu exemplo.

  27. Adorei a entrevista! As vezes esquecemos de observar o mundo, a natureza ao nosso redor, e perdemos o espetáculo da vida. A composição da natureza é maravilhosa e de uma magnitude indescritível!

  28. Vivemos com os olhos vendados para o que nos rodeia, parece que somos como programas de computador, fazemos só o que é determinado, perdemos a capacidade de admirar, de observar e também de atrair. Que pena !!

  29. Muitas vezes estamos tão ocupados com as tarefas cotidianas que não percebemos as delicadezas da natureza.

  30. Esta entrevista me lembrou de as histórias de seu Lunga (http://pt.wikipedia.org/wiki/Seu_Lunga), homem direto e sincero.
    Gostei muito da passagem que em que o Sr. Francisco de Assis disse que o homem não percebe os animais que o rodeia porque perdeu o contato com a natureza. É verdade, para saber um pouco sobre os animais, não é preciso instrumentos avançados e caros, só é necessário um binóculo, paciência e um assobio!

  31. Muito boa a entrevista. Com muito pouco podemos aprender muitas coisas, basta somente ter humildade e bastante paciência.

  32. Amei o texto! Fiquei aqui imaginando a entrevista acontecendo.
    As coisas mais simples normalmente são as mais belas e as que nos trazem mais felicidade, pena que sempre estamos “ocupados demais” para apreciá-las.

  33. Belíssima entrevista. Gostei muito do ponto em que ele chama a atenção sobre o “universo paralelo” das aves a nossa volta na qual nos humanos “perdemos a capacidade de percepção”.

  34. Bela entrevista, me remete ao fato de que às vezes a população acha que não faz parte da natureza, que é difícil entrar em contato com a mesma…e esquece ou talvez até desconheça de também é parte dela…

  35. Belíssimo texto!! Muitas vezes estamos tão preocupados com os problemas do dia-a-dia que acabamos nos esquecendo de olhar ao redor e observar as aves, estes pequenos seres que possuem uma beleza extraordinária, seja pelo belo canto ou pela coloração deslumbrante. Francisco conservou em seu coração o respeito à natureza e a sensibilidade.

  36. Excelente texto, bem criativo.
    Realmente isso acontece bastante, as pessoas, por n motivos, acabam se desligando da natureza e do resto, e não percebem a diversidade de plantas e animais que está logo ali do lado.

  37. A vida de Francisco de Assis é inspiradora ! Ele reconhecia que antes toda a criação era interconectada, e é triste ver que estamos cada vez mais distantes disso ! Bom texto !

  38. Hahaha adorei o Francisco de Assis!

  39. Professor, ao contrario de Homero, Francisco é realmente bem rabugento, não?! Bom… São Francisco é o santo que protege o mês do meu aniversário, mais do que isso, eu nasci no dia dedicado à ele e fico muito lisonjeada por isso, já que ele apresentava uma intensa e amorosa relação com a natureza, relação que o tornou modernamente em um patrono dos animais e do meio ambiente. Mais uma vez o texto é muito convidativo e instigante! É uma pena que “os Homens perderam totalmente o contato com a natureza a ponto de não enxergar os seres que o rodeiam”… A natureza é algo extremamente tão belo, que não entendo como tem pessoas que não se importam em admirá-la!

  40. “Não diria nada. Apenas assobiaria…” Linda visão, ótimo texto!

  41. Ótimo texto. Mostra muito a realidade de muitos, inclusive, antes de fazer biologia era a minha também, da distância do natural, daquilo que a natureza de forma surpreendente pode nos apresentar. Francisco de Assis, em sua simplicidade, humildade e nas suas crenças, nos mostra como deve ser a relação entre nós, e a vida ao nosso redor.

  42. Excelente texto! Achei legal a resposta que o Francisco levantou sobre alguns dos impactos que afetam a vida da aves, e claro de outros animais, em contraste com o uso do Playback, isso sempre me chama a atenção em textos quando leio. E claro pra fechar com chave de ouro a última resposta foi essencial “Apenas assobiaria…” .Parabéns pelo texto!

  43. Muito legal a entrevista! Divertida e leve, mas não deixa de abordar um tema importante.

  44. Giovanni Bernardone nos faz refletir como estamos distantes da natureza e tudo que nos rodeia, passamos tanto tempo suprindo as necessidades finaceiras e nos esquecemos de aproveitar mais a vida. Ser um observador de aves e aprender um canto instantaneamente é com certeza um “dom”.
    Excepcional esse texto.

  45. Bom demais pra refletir como estamos afastando cada vez mais da natureza. As vezes, na correria do dia a dia, fica difícil contemplar as aves, o próprio céu e outras coisas belas da natureza. Belo texto!

  46. Belíssimo Texto!!

  47. É sério que tem gente achando que a entrevista aconteceu mesmo?

    Bem, com o comentário acima à parte, muito bom o texto, criticando com certo humor a realidade hipócrita em que vivemos. A crítica à técnica de playback é uma entre muitas que realmente são feitas, embora os verdadeiros problemas sejam prontamente ignorados.

    Texto para ler, digerir e pensar.

  48. Texto bem humorado e com boa dose de informação. Penso que deveriam haver mais homem como o Sr. Bernadone, ou melhor, Francisco. O mundo seria bem melhor se houvessem mais assobiadores por aí…!

Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *