Pages Navigation Menu

Vida outdoor, Ornitologia, Literatura Selvagem

Entrevista com Homero, criador da Ilíada e da Odisséia

Homero (fonte wikipedia)

Entrevista com Homero, explorador e escritor da Odisséia e Ilíada.

Nossa enviada especial Tatiana Kourteli encontrou Homero, mais conhecido por ter supostamente escrito Ilíada e Odisséia, que não necessita apresentações. Hoje Homero vive em uma pequena e simples casa de campo nas montanhas de Miliê, vilarejo turístico no norte de Grécia. Com uma saúde invejável e vestindo sua tradicional bata branca e uma longa barba, tragando havanas legítimos e sorvendo chá mate de uma bela cuia de chimarrão, o senhor Homero nos revelou, com sua voz grossa e rouca e com humor implacável, o que pensa sobre diversos assuntos.

Vida das Aves (VDA) – Como o senhor teve a ideia para iniciar sua viagem… homérica, desculpe-me o trocadilho, mas é o termo usado hoje em dia.

Homero – (gargalhada) Ora minha jovem, não se preocupe com essas adjetivações. Na verdade eu nunca tive uma ideia. A viagem se faz por si só. Se você quer saber, mesmo que um homem fique totalmente imobilizado em seu leito, ou sua escrivaninha, ele estará sempre viajando. Afinal, a Terra viaja no espaço, não é mesmo? E nós somos apenas passageiros (gargalhada).

VDA – Uma pergunta que se faz é o quanto de verdade existe em suas histórias.

Homero – (gargalhada) Essa é uma boa pergunta, mas a resposta dela é no fundo irrelevante. Como disse aquele velho escritor, seu conterrâneo, Oswald de Andrade, o escritor escreve o que ouve e não o que houve (gargalhada). Mas devo lhe dizer que essa frase, se não é diretamente minha foi inspirada pelos meus livros (gargalhada).

Pausa para mais um trago de mate e uma baforada de havana.

VDA- Mas e a passagem das harpias, as águias com rosto de mulher, que segundo o senhor, cantam e encantam os homens devorando-os depois. O senhor conhece as harpias da América do Sul?

Homero – Ah, sim, sim, aves belíssimas, talvez a rapineira mais potente, mais elegante e com aqueles olhos de mulher má… Aqueles olhos que a nos encanta e a nos devora sem piedade, sim, conheço-as bem. Aquele jovem naturalista, Linneu, que a batizou com este nome, ele acertou em cheio no nome em referencia as harpias de Capri, eu suponho que era a ilha de Capri… Já faz tanto tempo que eu passei por lá (gargalhada e pausa para outro trago de havana e mate). Mas sim, me perdoe… Sim, sim, você se referiu justamente a um episódio que aconteceu. No livro 1 eu já digo:“As Harpias cruéis mo arrebataram; Sem brilho algum morreu, só lutos, herdo”. E a crueldade delas também está expressa no livro 14: “E as harpias inglório o têm roído!” E finalmente no livro 20: “Mas, remontando Vênus ao Tonante, Que a fundo a sina dos mortais conhece, A pedir flóreas núpcias para as virgens, As Harpias, roubando-as, ao serviço”. Mas na verdade as harpias pouco aparecem em meu livro. As Harpias são muito mais mencionadas por Hesíodo em sua célebre Teogonia. Você, na verdade deve estar se referindo às mulheres que tem corpo de aves e cabeça de mulheres que cantam e encantam os homens para devorá-los no meio do mar. Aquelas são as sereias, mais especificamente no canto XII da Odisseia, quando Odisseu, saindo da ilha de Circe, se amarra ao mastro do navio. Enquanto isso, seus companheiros colocam cera nos ouvidos para não escutarem a canção daquelas lindas sereias e assim serem destruídos. É uma passagem linda, na tradução do seu conterrâneo Trajano Vieira:

“Não chegues perto! Amolga a cera dulcimel

e fixa nas orelhas dos teus sócios. Não

as ouça ninguém mais além de ti (se o queres):

te amarrem à carlinga do navio veloz

mãos e pés apertados nos calabres, reto,

para que o canto das Sereias te deleite.

E se rogares e ordenares que os marujos

te soltem, devem retesar as cordas mais.

Depois que os remadores deixem a paragem,

não serei exaustiva ao te indicar a rota

que seguirás: que te aconselhe o coração!”

 

Belos versos não é mesmo? (gargalhada).

Ulisses (Odisseu) e as sereias de John William Waterhouse (National_Gallery_of_Victoria,_Melbourne,_1891. Óleo sobre tela, 100.6 x 202 cm). (Fonte: http://pt.wikipedia.org/wiki/John_William_Waterhouse )

 

VDA – O senhor sabe que Odisseu é cultuado até nos dias de hoje?

Homero – Ora minha bela jovem, se fosse para eu ganhar todos os meus direitos autorais hoje eu estaria milionário… Mas graças a Zeus isso não aconteceu. Imagine eu estaria pagando impostos homéricos na Grécia de hoje (gargalhada). Prefiro estar aqui nesta minha choupana, criando minhas galinhas, graças a Marco Polo, que trouxe essas maravilhosas aves da Índia. Você sabe que antes de Marco Polo as coisas eram muito difíceis aqui na Europa… Era só carneiro e javali, valha-me Zeus! Nada como um frango ao molho pardo, prato que aprendi a fazer com seus conterrâneos (gargalhada).

VDA – Qual conselho o senhor daria a um jovem escritor?

Homero – (pensativo, tocando os dedos da mão direita sobre o queixo de longas barbas brancas acaneladas e olhando para o infinito) Hum, perguntinha clichê minha jovem… Mas enfim, eu acho que as pessoas deveriam escrever mais, sobre qualquer coisa e sobre o que lhes vier a cabeça, seja um poema, por mais banal que possa parecer, seja um livro de autoajuda, tudo vale e tudo deveria valer, sem preconceito. Mais uma vez cito um conterrâneo linguístico ao seu:

“Tudo vale a pena
Se a alma não é pequena.
Quem quer passar além do Bojador
Tem que passar além da dor.
Deus ao mar o perigo e o abismo deu,
Mas nele é que espelhou o céu”. (gargalhada).

PS Este texto teve a enorme colaboração de Guilherme de Faria Rodrigues, especialista em língua grega. O texto foi inspirado num post de Rudi R. Laps.

49 Comentários

  1. Excelente texto, caráter surreal interessante.
    Parabéns!

  2. Otimo atemporal como Homero e Ulisses.

  3. Muito bom, meu caro Marquinhos! Fico feliz que meu post tenha te intrigado a ponto de escrever tal entrevista imaginária (ou seria imagética). Muito boa. Homero enfim cansou de ser tão sério.

    • Obrigado Rudi. Continue postando obras aleatórias de artistas que são sempre fonte de inspiração.

  4. Não imaginava um Homero tão bem humorado, assim às gargalhadas, mas estou achando que era mais ironia dele com o nosso estado atual mundano… Belo texto, querido Marquinhos!

  5. Muito bom ler uma entrevista de um dos maiores escritores do mundo e saber que ele é tão simpático e simples.

  6. Muito interessante a entrevista feita com o Homero. Muito legal a forma que ele lida com as inspirações de seus livros e histórias, o conceito de viagem dele e a forma de como escreve. Homero citou as harpias em diversos trechos de suas historias e as conhece bem, fazendo analogias e as relacionando com as mulheres, as harpias são criaturas interessantes devido a cultura da mitologia grega e as histórias por tras dessa “ave”.
    Homero parece gostar muito de aves, por citá-las em suas histórias e pela forma que fala das glainhas levadas por Zeus da India. Ele parece ser bem simpático e bem humorado, e que interessante ler uma entrevista feita com um grande escritor.

  7. Esse Homero parece-me tão familiar,rsrs,”…sorvendo chá mate de uma bela cuia de chimarrão…” talvez tenha algo em comum com o nosso respeitável professor!
    Parabéns professor pelo texto produzido e continue tendo inspiração para sempre nos presentear com as tuas obras-primas.
    Já sou a tua fã!

  8. Muito bom o texto Professor! Parabéns por ter a capacidade de ir “além do que os olhos podem ver”, e transcender conceitos biológicos e relaciona-los com história. A visão de Homero nos ajuda a abrir nossas mentes e ver além, ser capaz de viajar, aprimorar a sabedoria e tirar grande proveito de tudo que se têm. Afinal, como ele mesmo disse: “a viagem se faz por si só”.

  9. Interessantíssima essa entrevista com Homero. A forma com que ele responde as perguntas é um convite para querer saber mais sobre a sua vida.
    parabéns pelo texto!

  10. Mais um texto muito interessante.Adorei a viagem no tempo Professor, e a maneira que abordou os temas!

  11. Parabéns, muito criativo!

  12. Parabéns professor!!! Poético!!! Adorei❤️

  13. Parabéns, professor Marcos! Gostei muito de todos os textos, muito legal a forma como o Sr. aborda a biologia associando o conteúdo com fatos vivenciados na realidade, obras literárias e artísticas, um tipo de literatura diferenciada, que faz o leitor se interessar pelo texto.Parabéns pelo seu talento, que o Senhor Jesus continue te capacitando a cada dia.

  14. Adorei a a temporariedade do texto! E que Homero bem humorado!!
    Mais um excelente texto!

  15. Muito bom texto professor Marcos. Muito bem humorado Homero como escritor talvez não passasse esta impreensão. É interessante como podemos abranger nosso pensamentos e conhecimentos por outras áreas, para que posssamos ver que muitas delas estão intimamente ligadas. Parabéns.

  16. Esse momento de nostalgia literária foi muito bom! Lembro-me que li Odisseia pela primeira vez quando estava no Ensino Fundamental, e confesso que não entendi quase nada na época. Anos depois, ao final do ensino médio, fiz uma nova leitura, mais esclarecedora. Mas agora, após ler essa divertida entrevista, penso seriamente em ler mais uma vez. Agora com um olhar diferente, mais maduro, e quem sabe até consigo aplicar alguns conceitos biológicos. Afinal, “Tudo vale a pena se a alma não é pequena…”

  17. Nossa! Amei esse texto! Criativo, instigante e super interessante. Parabéns Professor, tudo de bom 🙂

  18. Mais um texto gostoso de se ler, ainda mais, por nesse sim encontramos poesia de fato, rsrsrsrs… gostei muito do bom humor de Homero.

  19. Demais professor!!! A simplicidade e humildade de uma mente tão genial. Oportunidade única entrevistar uma pessoa como ele, mostra como a literatura é abrangente e atinge a diferentes pessoas com os mais diversos interesses.

  20. Muito bonito o texto! Homero nos traz uma reflexão a cerca do mundo que nos rodeia. Muito legal essa ligação da história com a biologia!

  21. Belo texto e excelentes citações! Adorei a dica que ele deu para os jovens que querem ser escritores, pois me enquadro nessa categoria!

  22. Ótimo texto, super hilario. Mostrou que a poesia e a prosa podem se relacionar com a biologia.

  23. A entrevista nos demonstra que sempre há uma interdisciplinariedade e ela dependerá da sensibilidade do observador. Ultrapassar barreiras e relacionar matérias como biologia, história e literatura é muito interessante. Parabéns professor por sua sensibilidade e talento!

  24. Texto muito cativante e hilário. Homero até que conhece muito de biologia! Esse texto aborda obras literárias, com personagens que marcaram a história e com assuntos de biologia de forma muito diferenciada. Meus parabéns!

  25. Interessante o texto! Faz refletir sobre o mundo a nossa volta. Adorei essa interdisciplinaridade entre História e Biologia.

  26. Adorei a criatividade e a maneira poética como foi escrito o texto!!
    Parabéns!! =)

  27. Ótimo texto professor, fico espantado com sua capacidade de conectar as aves a qualquer tipo de contexto.

  28. Ótima entrevista, muito descontraída.

  29. Homero, tantas controvérsias sobre este homem, poesias e ciências…Bela entrevista! Sobre Ulisses, a sua história com Argos, seu cão, é muito profunda. Argos morreu logo após seu retorno que demorou 20 anos para acontecer. Imagino que se Ulisses tivesse um papagaio no lugar de Argos, talvez a história que o cercou teria sido diferente…

  30. Ótima entrevista. Bastante divertida, parabéns!

  31. Belo texto, muito criativo e divertido. Além da ótima interdisciplinaridade, encaixando a biologia em diversos contextos.

  32. Interessantíssima essa entrevista com Homero. A forma com que ele responde as perguntas é um convite para querer saber mais sobre a sua vida.
    Parabéns pelo texto!

  33. Magnifica entrevista. Fascinante a forma bem humorada dos relatos.

  34. Adorei o texto, tive gargalhadas homéricas!rsrs

  35. Mais uma vez, gostaria de parabeniza-lo pelo texto, muito criativo, instigante e bem humorado! “…mesmo que um homem fique totalmente imobilizado em seu leito, ou sua escrivaninha, ele estará sempre viajando.” Isso se torna verdadeiro em cada leitura de seus textos, sempre tão ricos em detalhes que é possível ter a clara visualização do fato descrito.

  36. Entrevista bastante divertida. Impressionante como a biologia se encaixa nos mais variados contextos. A ligação existente entre História e Biologia é encantadora.É impossível estudá-las separadas!!

  37. Mais um texto super legal!

  38. Ótimo texto professor ! Acho muito interessante textos assim! Grande Homero !

  39. Maravilhoso esse texto, professor! Muito engraçado! Me lembrei da sua aula sobre as galinhas quando Homero fala do frango ao molho pardo! hahaha

  40. Adorei esse formato de “entrevistas” e a liberdade poética. Cativa, informa e entretêm.

  41. Belo texto Marcos! Um texto poético, muito bem escrito. Imaginei Homero respondendo essas perguntas dando gargalhadas, foi bem legal. A parte que mais chamou minha atenção foi a resposta a última pergunta, onde Homero diz: “Mas enfim, eu acho que as pessoas deveriam escrever mais, sobre qualquer coisa e sobre o que lhes vier a cabeça…”, falta isso nas pessoas, inclusive eu.

  42. Belo texto professor! Me deu até vontade de ler Odisséia.

  43. Mais um texto bem leve e legal pra ler! Gostei muito dele, porque particularmente, eu adoro harpias! São aves lindas

  44. Boa entrevista.

  45. Cara, fantástico! Rios de gargalhadas por aqui e, além disso, as informações sobre as aves fluem com a leitura naturalmente, sem torna-la cansativa. Bom demais aprender assim!

  46. Muito criativo o texto. Parabéns!

  47. Interessante como você juntou biologia com literatura, ficou um bom texto, divertido e informativo ao mesmo tempo.

  48. Imaginei um Homero diferente. Embora esse tenha um tom que torna curiosa a análise do texto.

    Muito bons os textos professor.

    As entrevistas dão liberdade para críticas a como o hoje não necessariamente representa o progresso em todas as direções, como por vezes tentam nos fazer acreditar.

Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *